Espírito Santo

Deus

O único Deus vivo e verdadeiro é Espírito pessoal, eterno, infinito e imutável; é onipotente, onisciente, e onipresente; é perfeito em santidade, justiça, verdade e amor.1 Ele é o criador, sustentador, redentor, juiz e Senhor da história e do universo, que governa pelo seu poder, dispondo de todas as coisas, de acordo com o seu eterno propósito e graça.2 Deus é infinito em santidade e em todas as demais perfeições.3 Por isso, a ele devemos todo o amor, culto e obediência.4 Em sua triunidade, o eterno Deus se revela como Pai, Filho e Espírito Santo, pessoas distintas mas sem divisão em sua essência.

Deus Pai

Deus, como Criador, manifesta disposição paternal para com todos os homens.1 Historicamente ele se revelou primeiro como pai ao povo de Israel, que escolheu consoante os propósitos de sua graça.2 Ele é Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, a quem enviou a este mundo para salvar os pecadores e deles fazer filhos por adoção.3 Aqueles que aceitam a Jesus Cristo e nele crêem são feitos filhos de Deus, nascidos pelo seu espírito, e, assim, passam a tê-lo como Pai celestial, dele recebendo proteção e disciplina.

Deus Filho

Jesus Cristo, um em essência com o Pai, é o eterno Filho de Deus. Nele, por ele e para ele, foram criadas todas as coisas. Na plenitude dos tempos ele se fez carne, na pessoas real e histórica de Jesus Cristo, gerada pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria, sendo, em sua pessoa, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Jesus é a imagem expressa do seu Pai, a revelação suprema de Deus ao homem. Ele honrou e cumpriu plenamente a lei divina e revelou e obedeceu toda a vontade de Deus. Identificou-se perfeitamente com os homens, sofrendo o castigo e expiando a culpa de nossos pecados, conquanto ele mesmo não tivesse pecado.6 Para salvar-nos do pecado, morreu na cruz, foi sepultado e ao terceiro dia ressurgiu dentre os mortos e, depois de aparecer muitas vezes a seus discípulos, ascendeu aos céus, onde à destra do Pai, exerce o seu eterno sumo sacerdócio. Jesus Cristo é o único Mediador entre Deus e os homens e o único e suficiente Salvador e Senhor.8 Pelo seu Espírito ele está presente e habita no coração de cada crente e na igreja. Ele voltará visivelmente a este mundo em grande poder e glória, para julgar os homens e consumar sua obra redentora.

Deus Espírito Santo

O Espírito Santo, um em essência com o Pai e com o Filho, é pessoa divina. É o Espírito da verdade. Atuou na criação do mundo e inspirou os homens a escreverem as Sagradas Escrituras. Ele ilumina os homens e os capacita a compreenderem a verdade divina. No dia de Pentecostes, em cumprimento final da profecia e das promessas quanto à descida do Espírito Santo, ele se manifestou de maneira singular, quando os primeiros discípulos foram batizados no Espírito, passando a fazer parte do Corpo de Cristo que é a Igreja. Suas outras manifestações, constantes no livro Atos dos Apóstolos, confirmam a evidência de universalidade do dom do Espírito Santo a todos os que crêem em Cristo. O recebimento do Espírito Santo, sempre ocorre quando os pecadores se convertem a Jesus Cristo, que os integra, regenerados pelo Espírito, à igreja. Ele dá testemunho de Jesus Cristo e o glorifica. Convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo. Opera a regeneração do pecador perdido. Sela o crente para o dia da redenção final. Habita no crente. Guia-o em toda a verdade. Capacita-o para obedecer à vontade de Deus. Distribui dons aos filhos de Deus para a edificação do Corpo de Cristo e para o ministério da Igreja no mundo. Sua plenitude e seu fruto na vida do crente constituem condições para uma vida cristã vitoriosa e testemunhante.

Como pode Deus ser três pessoas, porém um só Deus?

DefiniçãoHá apenas um Deus, mas na unidade da Divindade, há três pessoas eternas e iguais entre si – Pai, Filho e Espírito Santo – idênticas em substância, mas distintas em existência (ou subsistência).

A doutrina da Trindade revela-se progressivamente nas Escrituras. A palavra Trindade não se encontra na Bíblia, embora a idéia representada pela palavra seja ensinada em muitos trechos. Trindade significa “tri-unidade” ou três em unidade, por isso é usada para resumir o ensinamento bíblico de que Deus é três pessoas, porém um só Deus.

O Antigo Testamento não revela a Trindade, mas nos dá indícios de uma revelação posterior.

1. Passagens do A.T. que usam a palavra plural ELOHIM e pronomes plurais para se referir a Deus.

Em Gênesis 1:1, 26, essa pluralidade do pronome do verbo na 1ª pessoa no Velho Testamento hebraico (Elohim) só é utilizada com referencia a Deus. Embora alguns argumentem que se trata de uma linguagem simbolizando um plural majestático, não há no Velho Testamento inteiro, outra passagem onde se utilizem tal linguagem (plural majestático). O mesmo de pode dizer de:

Gênesis 3:22: “Eis que se tornou como um de ‘nós’…”

Gn 11: 7: “Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem.”

Isaías 6:8: “A quem enviarei e quem há de ir por nós?” [Observe aqui a combinação do pronome singular (eu) com o pronome plural (nós).]

Em outras passagens uma pessoa é chamada de “Deus” ou “Senhor” e distinguida de outra pessoa também chamada de “Deus”.

Salmo 45:6-7 (NVI): “O teu trono, ó Deus, perdurará para todo sempre […] Tu amas a justiça e odeias a iniqüidade; portanto, Deus, o teu Deus, te estabeleceu acima dos teus companheiros ungindo-te com óleo de alegria.” Duas pessoas distintas aqui são chamadas de Deus (Elohim).

O Novo Testamento cita esta passagem em Hebreus 1:8, aplicando-a a Jesus. Em Isaías 63:1 e 10; 46:18, o Espírito Santo é distinto do próprio Deus e recebe uma missão do Pai.

O Salmo 110:1 e Mateus 22:41-46 revelam duas pessoas da divindade. Afinal só alguém que fosse plenamente Deus poderia dizer a Deus, “Assenta-te à minha direita”. Davi compreendeu esse ensino, mas os fariseus do tempo de Jesus quando indagados por Ele acerca desse trecho, não o puderam responder (Mt 22:26).

2. Passagens que falam do Anjo do Senhor (do hebraico mal’ak – mensageiro)

Em Gênesis 22:11,15-16, vê-se que a pluralidade está subentendida aqui, pois se este anjo é um mensageiro do Senhor; é distinto do próprio Deus, porém em muitas passagens o anjo do Senhor é chamado “Deus” ou “Senhor” como se vê em : Gn 16:13;Êx 3:2-6 e 23:20-22; Nm 22:35; Jz 2:1-2 e 6:11.

3. Deus em três pessoas

Em certo sentido a Doutrina da Trindade ou tri-unidade é um mistério que jamais seremos capazes de entender plenamente como homens. O que podemos desta verdade compreender é:

  1. Deus é três pessoas.
  2. Cada pessoa é plenamente Deus.
  3. Há um só Deus.

A. Deus é três pessoas

  • O Filho é distinto do Pai – João 1:1-2; 9:18
  • E com partilha com Ele a Sua glória eterna – João 17:24
  • Jesus é nosso advogado, intercessor e Salvador– João 2:1;Hb 7:25
  • O Espírito Santo é Consolador[1] e Intercessor – João 14:26; 16:7; Rm 8:27
  • Em ambos os casos, o intercessor precisa ser uma pessoa distinta do Pai
  • Em João 15:26; 16:13-14; Atos 10:38; Rm 15:13 e I Cor 2:4, Vemos atributos pessoais conferidos ao Espírito Santo evidenciando que Ele não é apenas uma força ou o poder divino como alguns o afirmam.

B. Cada pessoa é plenamente Deus

Jesus é plenamente Deus (veja João 1:1; 20:25-31; Hb 1:8-10; Tito 2:13; Rm 9:5; Is 9:6; Col. 2:9)

O Espírito Santo é plenamente Deus (veja At 5:3-4; 1 Cor 3:16; Sl 139:7-8; João 3:5-7; Judas 20-21; Ef 4:4-6; 1Cor 12:4-6; Mt 28:19; 2 Cor 13:13,1 Pedro 1:2)

Se a Bíblia ensinasse apenas que Deus é três pessoas e cada pessoa é plenamente Deus, seríamos politeístas, mas não é isso que ela ensina. Ela nos revela também que há só um Deus.

C. Há um só Deus – Unicidade

As três pessoas da Trindade não são um apenas em propósito e em concordância no que pensam, mas um em essência, apenas um na sua natureza essencial. Não existem três deuses, Deus é um só ser, um só Deus.

Evidências no Velho Testamento – Êx 15:11; 1 Reis 8:60; Isaías 45:5-6 e 21-22

Evidências no Novo Testamento –  1 Tm 2:5; Rm 3:30; 1 Cor  8:6 e Tiago 2:19

Vemos assim que na Trindade:

  • Cada pessoa tem uma personalidade inteligente e é plenamente Deus.
  • Todos possuem os mesmos atributos em igual medida.
  • Relacionam-se entre Si de maneira plena.

Deus existe eterna e necessariamente como Trindade (João 17:5 e 24). É indivisível.

Quando da criação do universo:

  • O Pai proferiu as palavras;
  • O Filho as executou – (1 João 1: 3;1 Cor 8:6; Col.1:16; Hebreus 1:2);
  • O Espírito pairava sobre as águas – Gn 1:2.

——————————————–

Perguntas para reflexão e aprofundamento:

1.  O que é possível aprender acerca de vida comunitária a partir da doutrina da Trindade?

2.  Como o relacionamento entre Pai, Filho e Espírito Santo se reflete na vida da igreja?

3. O que João 17:25-26, nos diz acerca do propósito eterno de Deus e sua ação na vida dos seus filhos?

——————————

Fontes referenciais:

1. GRUDEM, Wayne A. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1999.

2. BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. São Paulo: Cultura Cristã.

3.  Doutrina da Trindade. Artigo. Disponível em http://www.allaboutgod.com/portuguese/doutrina-da-trindade.htm.


[1] Nos manuscritos Gregos, a palavra que Jesus utiliza para descrever o Espírito Santo é “paracletos”, que significa ajudante. Ele nos ajuda a viver como Cristo deseja.

 

Sem Comentarios.